Prefeito de Manaus despreza demanda por moradia digna

Hoje fui surpreendida por uma matéria do Estadão sobre uma discussão do prefeito de Manaus, Amazonino Mendes, com uma mulher que mora em uma área de risco da cidade. À alegação da moradora de que não poderia deixar o local porque não havia outro para onde ela pudesse ir, o prefeito respondeu com um “Então morra!”.

A discussão foi exibida pela TV Amazonas e já está disponível no youtube. Abaixo, segue também a matéria do Estadão.

”Então morra”, diz prefeito

Amazonino discute com moradora de área de risco de Manaus e ironiza origem paraense

22 de fevereiro de 2011

O prefeito de Manaus, Amazonino Mendes (PTB), discutiu ontem com a moradora de uma comunidade onde uma mulher e duas crianças morreram soterradas. O prefeito disse que as pessoas na comunidade Santa Marta, na zona norte da capital do Amazonas, ajudariam a prefeitura “não fazendo casas onde não devem”.

Uma moradora não identificada retrucou, destacando que “a gente está aqui, porque não tem condição de ter uma moradia digna”. Exaltado, o prefeito então respondeu: “Minha filha, então morra, morra.”

A moradora retrucou. Disse que, se é assim, “então vamos morrer todos”. Amazonino então perguntou sua origem. Quando a moradora respondeu que havia vindo do Pará, o prefeito encerrou a discussão dizendo: “Então pronto, está explicado.”

A discussão foi ao ar, na íntegra, no jornal do meio-dia da TV Amazonas, repetidora da TV Globo, e foi colocada no site de vídeos YouTube. O Estado procurou a moradora que aparece no vídeo no início da tarde de ontem, mas ela havia saído para trabalhar. A Assessoria de Imprensa da prefeitura informou que a Defesa Civil está cadastrando as pessoas na área de risco para providenciar casas alugadas.

Vaias. Em 26 de novembro do ano passado, durante visita a Manaus do então presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Mendes foi vaiado durante seu discurso. “Nunca na minha vida sofri esse tipo de constrangimento. Se o Amazonino não tiver a aprovação do povo, vocês vão ter outro prefeito, porque eu vou sair”, reclamou o prefeito de Manaus, depois da vaia, referindo-se a ele mesmo. “Eu vou mandar fazer uma pesquisa. Se for negativa, renunciarei ao meu mandato.”

Anúncios