Sinais de mudança nos padrões de mobilidade de São Paulo

Paulista2015set_DadosComplementares_Foto2

Foto: Helton Rodrigo Barbosa/Ciclocidade

Nesta Semana da Mobilidade, além de muitas matérias na imprensa sobre o tema, foram divulgadas algumas pesquisas realizadas por organizações como a Ciclocidade e a Rede Nossa São Paulo. Os novos dados mostram que, aparentemente, está em curso uma mudança nos padrões de mobilidade da cidade.

Em primeiro lugar, uma das informações mais importantes é que depois de décadas em que a proporção de usuários de transporte individual crescia sem parar, finalmente houve uma queda: em 2014, 56% dos paulistanos diziam usar o carro diariamente, em 2015, essa parcela caiu para 45%, conforme pesquisa da Rede Nossa São Paulo.

Isso confirma os dados das últimas pesquisas realizadas pelo Metrô (Origem e Destino 2007 e Mobilidade Urbana 2012), que já mostravam um crescimento em proporção maior das viagens realizadas em transporte coletivo com relação às viagens feitas em veículo particular.

Entendemos, assim, que uma parte das pessoas deixou de se deslocar de carro e passou a usar o transporte coletivo? Não necessariamente. Essa seria uma leitura simplista… Se verificarmos na pesquisa OD de 2012 a evolução do índice de mobilidade (média de viagens diárias realizadas por pessoa), veremos que as pessoas estão se deslocando mais nos últimos anos. O índice, que era de 1,93 em 1997, passou para 2,07 em 2007 e chegou a 2,24 em 2012. Isso significa que muita gente que antes não se deslocava ou se deslocava apenas de casa para o trabalho ou a escola passou a se deslocar em razão de outras finalidades, certamente incrementando o número de usuários do transporte público. Sem dúvida isso tem a ver com o aumento da renda média da população, especialmente entre os mais pobres, que são a maioria.

Só que esse grande aumento de usuários no transporte público não foi acompanhado de expansão semelhante da rede de transportes. Ainda que nos últimos anos uma nova linha de metrô tenha sido inaugurada e mudanças tenham sido feitas na rede de ônibus com o objetivo de torná-la mais eficiente, tudo isso foi insuficiente diante das necessidades da população.

Isso explica que na pesquisa da Rede Nossa São Paulo a lotação do ônibus seja o item mais mal avaliado entre os usuários, seguido do preço da passagem. De acordo com a pesquisa, 59% dos entrevistados têm a sensação de que a lotação aumentou de 2014 para 2015.

Com relação ao uso da bicicleta, pesquisa realizada pela Ciclocidade mostra que está correta a tese de que quanto mais infraestrutura a cidade oferece para os ciclistas, mais pessoas aderem ao uso da bicicleta como transporte. Contagem realizada pela organização em setembro mostra que o número de ciclistas que trafega na Avenida Paulista mais do que dobrou após a inauguração da ciclovia. Na contagem anterior, de junho (antes da inauguração), foram registrados 977 ciclistas, enquanto no último levantamento esse número chegou a 2.112.

Outro dado importante revelado na pesquisa da Ciclocidade é que 70% dos ciclistas usam a bicicleta para se deslocar ao menos cinco vezes por semana: ou seja, são pessoas que se deslocam de bicicleta não para passear ou fazer exercício, mas para se locomover para suas atividades diárias, para o trabalho, a escola etc. O perfil predominante do ciclista em São Paulo é de homens na faixa etária dos 25 aos 44 anos (totalizando 67% dos usuários). A ciclovia da Avenida Paulista foi a que registrou maior proporção de mulheres: 14%.

A pesquisa também mostrou que a resistência do paulistano ao uso da bicicleta diminuiu: em 2014, 24% dos entrevistados responderam que não usariam bicicleta de jeito nenhum para se deslocar. Este ano essa proporção caiu para 13%.

Obviamente, a participação da bicicleta no total de deslocamentos em São Paulo ainda é baixa. Mas os dados mostram que a tendência é que essa proporção aumente na medida em que a infraestrutura seja expandida e consolidada. Quem caminha pela cidade já percebe que muito mais gente tem usado as ciclovias e ciclofaixas.

Continuar com os investimentos em ciclovias, melhorar as calçadas, investir pesado no transporte público, com expansão da rede de trem e metrô e melhorias profundas na rede de ônibus, sem esquecer o necessário investimento em acessibilidade para pessoas com deficiência em todos os modais, é um desafio permanente e fundamental. A cidade, inclusive muitos usuários do carro que hoje ainda se opõem a algumas medidas, ainda vai agradecer.

Semana da Mobilidade + Dia Mundial Sem Carro: programação segue até o próximo sábado

Desde a última sexta-feira, está acontecendo em São Paulo a Semana da Mobilidade. Além do Dia Mundial Sem Carro, tradicionalmente celebrado no dia 22 de setembro, a programação da semana inclui seminários, oficinas, intervenções, exibição de filmes, entre outras atividades.

A Semana da Mobilidade segue até o próximo sábado, dia 24, e terminará com a manifestação “A Cidade é Nossa: Passeata pelo Plano de Mobilidade Sustentável de São Paulo”, com concentração às 15h, no vão do Masp, na Avenida Paulista.

Para ver a programação completa e demais informações, acesse: http://dmscsp.blogspot.com/

Leia abaixo a Carta-Manifesto da Semana:

São Paulo é refém. Refém de uma lógica que privilegia o particular sobre o público. Que prioriza o transporte individual sobre o coletivo. Que tira dos cidadãos o direito de escolher como se locomover. Que transforma as pessoas em prisioneiros de bolhas de falso conforto. Que limita nossa possibilidade de viver a cidade.

Mas São Paulo é nossa. A cidade é nossa. E vamos retomá-la, uma esquina por vez, uma rua por vez. Queremos um plano de mobilidade que respeite todos os cidadãos. Demandamos participar da construção de nossa mobilidade, de nossa cidade. Um plano que contemple transporte de qualidade, com tarifa justa e durante as 24 horas do dia. Que nos leve onde precisamos ir e quando precisarmos ir. Um plano que priorize o transporte público e valorize a acessibilidade. Que fiscalize a legislação que protege a todos, que eduque para a cidadania no trânsito. Por um trânsito que não seja competitivo e sim cooperativo. Afinal somos todos pedestres e todos estamos em trânsito. Todos saímos, chegamos e vivemos a cidade.

Essa jornada já começou e não vai parar. Sairemos de nossas bolhas em direção à Avenida Paulista, onde transformaremos o símbolo da nossa cidade no símbolo da mudança. Onde iremos espalhar nossas demandas e nossas esperanças na forma de bolhas de sabão. Venha com a gente retomar a cidade. Ela é nossa. Saia da sua bolha e traga bolhas de sabão. Caminhar é preciso!