Praça Taksim: protestos em Istambul pelo direito à cidade

Nos últimos dias, tenho procurado acompanhar a cobertura dos meios de comunicação sobre os protestos que estão ocorrendo em Istambul, na Turquia. Infelizmente, as notícias, em geral, não têm apontado as verdadeiras origens da manifestação. Referem-se a um protesto ambientalista contra a demolição de um parque e de suas árvores históricas, ou contra a corrupção da indústria da construção civil, como li no portal de um importante jornal inglês, ou, ainda, como a imprensa europeia e norte-americana têm enfatizado, contra a radicalização da islamização no país, com a adoção de medidas como a proibição da venda de bebidas alcoólicas e do beijo em público.

No dia 27 de maio, de fato, dezenas de pessoas ocuparam o Parque Gezi, que faz parte da Praça Taksim, a maior área pública do tipo no país, em protesto contra a demolição do parque e a construção de um shopping center no local. Desde que foi anunciado, o projeto foi questionado por vários setores da população contrários a sua implementação. Não havendo canais de diálogo, e diante da iminente demolição do parque, não houve outra saída senão a resistência no próprio local, com acampamentos e protestos. A desmedida repressão policial não apenas fez crescer a manifestação – no dia seguinte, milhares de pessoas somaram-se a ela – como também chamou a atenção internacional para a situação. Na manhã do dia 30, a polícia agiu novamente, tocando fogo nas barracas dos manifestantes e lançando gás lacrimogêneo e de pimenta sobre eles. Várias pessoas ficaram feridas e, até onde se sabe, duas morreram.

occupygezi3

Na verdade, a transformação da Praça Taksim foi a gota d’água de uma série de projetos adotados pelo governo de Istambul, que têm transformado radicalmente o tecido sócio-territorial da cidade e contra os quais a população tem resistido. Particularmente grave, por exemplo, tem sido o “Sulukule”, projeto de renovação urbana que deslocou moradores tradicionais de áreas centrais para as periferias, além de uma série de privatizações de espaços públicos de uma cidade que tradicionalmente vive as ruas. Contra esse processo, desde 2005 um movimento pelo direito à cidade, inicialmente constituído por profissionais ligados à temática urbana e pessoas afetadas pelas remoções foi ganhando apoio e momentum, até que em maio explodiu a ocupação da Praça Taksim.

O que estamos vendo é, portanto, uma grande manifestação pelo direito à cidade. Mas depois da forte repressão policial, os protestos transformaram-se em mais do que isso… tornaram-se também uma manifestação por liberdade de expressão e contra violações de direitos humanos. Ainda não se sabe como se resolverá o conflito – esperamos que o governo abra urgentemente canais de diálogo com os manifestantes –, mas o fato é que, cada vez mais, fica claro que um modelo de desenvolvimento urbano voltado fundamentalmente para abrir espaços para investimentos imobiliários – em suas vastas conexões com os circuitos financeiros internacionais – está sendo questionado em todo o mundo.

occupygezi

occupygezi6

occupygezi5

Fotos retiradas do tumblr #OccupyGezi.

Governo britânico penaliza, com despejos, famílias de jovens envolvidos em protestos

Famílias de jovens envolvidos nos protestos que aconteceram recentemente em Londres, e em outras cidades inglesas, estão perdendo o direito de morar em conjuntos habitacionais públicos. Essa não é uma medida isolada na Inglaterra. Ela está relacionada a outras que vêm sucessivamente desmontando as políticas públicas de habitação, com a demolição de conjuntos habitacionais públicos, especialmente os localizados em áreas mais valorizadas.

O governo tem usado como justitificativa aos despejos uma legislação que prevê que atos criminosos realizados nos conjuntos habitacionais, por seus moradores, podem levar à perda da habitação. O que estamos vendo, neste caso, são famílias inteiras – algumas formadas por mulheres com crianças – sendo penalizadas por conta da ação de jovens nas ruas da capital inglesa.

Segundo matéria publicada no jornal The Guardian, na semana passada, uma das razões fundamentais dos protestos – entre outras –  são as desigualdades sociais e, particularmente, socioterritoriais do país. O jornal mostra que os eventos aconteceram em locais que são pontos de contato entre áreas de alta renda e de baixa renda e que os processos de expulsão e demolição dos conjuntos habitacionais públicos só vai aprofundar ainda mais as tensões sociais.

Leia abaixo as matérias do The Guardian (em inglês):

London riots: Wandsworth council moves to evict mother of charged boy

Evicting rioters’ families from their homes? There’s a horrible logic to it