Cidades, carros e bicicletas

Na próxima quinta-feira (18), estreia no Brasil o documentário “Bikes versus Carros”, do diretor sueco Fredrik Gertten. Percorrendo diferentes cidades do mundo –São Paulo, Los Angeles, Copenhague, Toronto, Bogotá, entre outras–, o filme retrata não apenas o confronto de dois modos de circular pelas cidades, mas de duas culturas urbanas: a dos carros e a das bicicletas.

Em cada uma das cidades, a narrativa é conduzida pela experiência de atravessá-las sobre uma bicicleta –mas também no interior de carros–, assim como por depoimentos de ciclistas, motoristas, gestores públicos e urbanistas, sobre um pano de fundo de estatísticas que demonstram o alcance das questões abordadas, para além das histórias individuais dos personagens.

Em uma das cenas do filme, passada em Los Angeles (a Meca dos automóveis), o fechamento de sua mais importante e gigantesca via expressa durante um final de semana transforma a cidade em cenário de uma espécie de filme de ficção. Prevendo um inevitável colapso no sistema de circulação, dada a total dependência do carro e suas infraestruturas, as autoridades apelam para que ninguém saia de casa.

A mesma Los Angeles –pasmem!– já teve, no início do século passado, um dos melhores sistemas de transporte coletivo do mundo: uma vasta rede de bondes que foram literalmente jogados na baía de Santa Mônica e se transformaram em uma enorme barreira de arrecifes artificiais. A mesma Los Angeles já contou com uma rede de ciclovias, hoje também abandonada. Fica claro como ali foi necessário destruir os sistemas de mobilidade coletivos e não motorizados para implementar a total dependência do automóvel.

Hoje, LA tem 70% de sua área ocupada por vias e estacionamentos para carros. Apenas 0,8% das pessoas utilizam a bicicleta como meio de transporte. No outro extremo, temos Copenhague, com seus 1.000 km de ciclovias e 40% da população se locomovendo de bicicleta, com incentivos públicos para que este número ainda aumente. Lá, a câmera do cineasta sueco registra as queixas e incômodos de um motorista de táxi, em posição minoritária na capital das bicicletas.

Em Los Angeles, São Paulo, Bogotá ou Toronto, o documentário mostra a luta dos cicloativistas por mais segurança e mais infraestrutura para as bicicletas. Mostra também a força do lobby do “complexo automobilístico”, que envolve desde a indústria petroleira até a cadeia produtiva dos automóveis na definição de políticas pró-carro. O filme mostra que na Alemanha, por exemplo, o governo do país vetou uma proposta da União Europeia para a redução da emissão de gases poluentes, o que prejudicaria as montadoras alemãs.

Ao final do filme, inevitavelmente, somos levados a pensar: carros ou bicicletas? E aí é que a questão não fecha, ao menos no contexto das metrópoles brasileiras. Embora eu concorde com os argumentos pró-bicicleta, é impossível imaginar que possamos basear todo o nosso sistema de mobilidade nesse modal.

No Brasil, a luta por mais infraestrutura cicloviária precisa andar junto com a luta, fundamental, pela constituição de uma rede de transporte público de massa de qualidade, confortável, eficiente e acessível para todos, em que nem a oferta nem a tarifa possam impedir possibilidades ilimitadas de circulação na cidade para todos.

*Coluna publicada originalmente no dia 15 de junho, no Caderno Cotidiano da Folha.

5 comentários sobre “Cidades, carros e bicicletas

  1. Enquanto isso, o monotrilho que deveria ter sido inaugurado antes da Copa2014 está parado. Ficou para 2017. O trem ligando o aeroporto de Guarulhos a São Paulo, idem. (existem denuncias na net de que o perigoso sindicato dos taxistas é contra a obra) O anel hidroviário então, nem se fala mais.

    São Paulo voltou ao ritmo de 1km de metrô por ano.

    A única boa notícia é que os pátios das montadoras estão lotados.

  2. O debate carros ou bicicletas? deveria ser extinto e começar a pensar: carros e bicicletas , como fazer que esses modais conversem. Devem existir formas. Acredito nisso, vou encontrar uma resposta para isso.

    Parabéns por mais um ótimo texto. Obrigado pela referência

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s