Os legados da Copa

Às vésperas do encerramento da Copa do Mundo, o governo federal apresentou números oficiais sobre desapropriações e remoções realizadas durante o processo de preparação do país para o mundial de futebol. Segundo os dados apresentados agora, 13.558 famílias foram atingidas, em dez cidades. Estima-se, assim, que cerca de 35.600 pessoas tenham sido forçadas a deixar suas moradias para dar lugar a obras relacionadas ao megaevento.

Se por um lado é positivo que, finalmente, tenhamos números oficiais sobre o que aconteceu nos últimos anos, por outro, é preciso dizer que se o próprio governo teve enorme dificuldade de “descobrir” quantos foram os removidos por obras relacionadas à Copa, isso demonstra a forma como são tratadas as remoções relacionadas a obras públicas no Brasil: um assunto irrelevante, não “contabilizado”, atravessado por obscuridades e violência.

Em país de gente grande, o destino das pessoas removidas é tão ou mais importante do que os aeroportos e vias que as deslocaram. E sobretudo, é assunto de Estado. Este balanço, portanto, deveria ter sido feito antes mesmo de as obras serem iniciadas.

Além disso, não é difícil constatar que os dados não estão nada completos: em Belo Horizonte e Cuiabá, por exemplo, o quadro apresentado não fornece nenhuma informação sobre se as pessoas foram indenizadas ou reassentadas e onde isso aconteceu; no caso do Rio de Janeiro, apenas as famílias afetadas pelas obras da Transcarioca estão listadas, quando várias outras obras removeram centenas de pessoas – como na favela do metrô mangueira, no entorno do Maracanã.

Outro problema do levantamento do governo é a definição de “obra relacionada à Copa”. No Rio de Janeiro, por exemplo, moradias estão sendo demolidas ainda hoje na Vila Autódromo, no entorno do projeto para as Olimpíadas, deixando escombros e um cenário de destruição em torno das casas dos moradores que se recusaram a sair… Sem falar no projeto Porto Maravilha e nas inúmeras remoções de favelas no entorno da zona Sul. O próprio marketing da cidade relaciona estas intervenções aos dois eventos: Copa e Olimpíadas. Não mencioná-las é esconder a extensão do fenômeno.

Resumo da ópera: é importantíssimo o governo admitir que milhares de pessoas foram removidas, não necessariamente da forma mais respeitosa em relação a seus direitos, mas certamente o número é muito maior. Quanto? Não sabemos, porque justamente faltou e ainda falta transparência nos projetos que envolvem remoções, com ou sem Copa…

Aliás, os dados oficiais sobre desapropriações e remoções foram apresentados pelo ministro Gilberto Carvalho, da secretaria-geral da Presidência da República, em coletiva de imprensa sobre “Democracia e os grandes eventos”, na quinta-feira, dia 10. Dois dias depois, no sábado (12), às vésperas da partida final da Copa do Mundo, fomos todos surpreendidos com notícias de prisões arbitrárias de manifestantes pela polícia do Rio de Janeiro.

Segundo os jornais, ao menos 37 pessoas foram presas porque estariam envolvidas na organização de manifestações marcadas para acontecer no dia da final. Elas estariam sendo monitoradas desde junho do ano passado. Faz já alguns meses, aliás, que participantes de movimentos sociais, incluindo integrantes dos Comitês Populares da Copa, têm denunciado perseguições e ameaças, inclusive contra familiares.

Em São Paulo, o estudante e funcionário da USP Fábio Hideki foi preso no final de junho ao sair de um ato público na Praça Roosevelt, sob acusações de associação criminosa, posse ilegal de explosivo, incitação ao crime, entre outras. Em várias cidades, como Rio e Porto Alegre, manifestantes têm sido chamados a responder por acusações bem parecidas. Tais intimações e prisões atentam claramente contra a liberdade de expressão e de manifestação.

As informações que chegam pelas redes sociais e por alguns jornais parecem vir de um Brasil de outra época, quando protestar era crime e desafiar o sistema custava vidas. O que estamos vendo parece qualquer coisa menos democracia.

Esperamos que não seja este o maior legado da Copa!

*Texto originalmente publicado no Yahoo!Blogs.

5 comentários sobre “Os legados da Copa

  1. Raquel, as reflexões são pertinentes mas gostaria de ter mais claras as responsabilidades: de quem é a responsabilidades pelas remoções? De quem é a responsabilidade pelas prisões ilegais a ativistas envolvidos em manifestações na época da Copa? Abraço. T.

  2. Ainda o cidadão brasileiro tem que aceita o que o estado quer pagar no seu imóvel, que na realidade nunca é o valor correto de mercado!!! Poxa o Governo além de desviar dinheiro a todo tempo e toda hora agora esta querendo roubar do cidadão até o direito de sua moradia !!! será que vai ter alguém honesto para enxergar está situação e mudar esta regra que todos os desapropriados tanto reclama!!! ninguém está pedindo só estão querendo o que é justo!!! quando vamos ser um País honesto, quando o governo vai parar de ter uma política de ditadura disfarçada!!! falo isto com propriedade pque logo serei o próximo desapropriado!!! nunca mais voto neste PT eles tiram a dignidade do pai de família que projeta a sua vida com muito esforço !! oque eu posso ensinar para o meus 02 filhos e esposa agora!!! que estou sendo desapropriado pq não paguei a minha conta zzzz ou pq o estado esta me roubando o meu direito de viver. Sabe o meu filho mais novo de 09 anos me perguntou estes dias atrás logo qdo acabou a Copa uu _Pai quando vão derrubar a nossa casa!!! pergunta esta feita na frente do avaliador do imóvel!!!! isso dói muito viu não desejo pra ninguém isso!!! e que Deus esteja comigo neste momento tão difícil da minha vida pq eu não sei nem pra onde vou levar a minha família viu Presidente Dilma.

  3. Sim, a organização da Copa não cuidou dos desapropriados, confirmando o que acontece em todos os níveis da administração brasileira. Trata-se de uma questão legal e moral. Legalmente, a legislação brasileira simplesmente permite que o estado se aproprie da casa e do trabalho do cidadão a preços vis (pagando uma pequena porcentagem do valor real e, quando muito, fica devendo um precatório que nunca será pago. Moralmente, o governo não tem qualquer respeito pelo cidadão o que explica não se preocupam com o que acontecerá com os desapropriados e suas famílias. (Temos inúmeros exemplos na Cidade e no Estado de São Paulo já comentados anteriormente).
    Alem disto, a Copa não cuidou em deixar qualquer legado para o brasileiro que pagou com seus impostos as despesas para a FIFA se locupletar da festa livre de impostos… Escolas federais de esportes representam a única aplicação adequada para retornar ao povo brasileiro o megainvestimento dos estádios superfaturados da Copa. É imprescindível que todos os estádios elitistas petistas, pagos com os impostos dos brasileiros, sejam abertos à população de cada cidade para o desenvolvimento de esportes infanto-juvenis e de adultos – masculino e feminino. Tais escolas federais de esportes cabem perfeitamente no orçamento ampliado a 10% para a educação, incluindo o investimento na adição de esportes complementares populares da região e necessários a cada equipamento. Assim, a saúde dos brasileiros estará finalmente recebendo alguma atenção. Assim, novos atletas poderão ser descobertos em todas as regiões; e, ainda, as arquibancadas poderão vir a ser ocupadas no longo prazo. Assim, o PT estará finalmente governando para todos os brasileiros e poderá proclamar, sim, que a Copa trouxe algum benefício ao País.

    Suely Mandelbaum, urbanista

  4. Em Porto Alegre não foi citado quantas famílias foram deslocada da Avenida tronco e da Voluntários entre Sertório e ARENA Gremista, mas foram mais de 2 centenas. A obra da Tronco até hoje esta parada por problemas não resolvidos.

  5. Pingback: prá não dizer que só falei de flores | Ani Dabar

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s