Onde morar por menos de R$ 500?

Há duas semanas, o IBGE divulgou informações do censo de 2010 relativas aos “aglomerados subnormais”, denominação um tanto preconceituosa para designar o vasto universo dos bairros autoconstruídos por seus moradores, à margem das regras que regulam construções e aberturas de loteamentos em nossas cidades. Trata-se do “censo das favelas”, como a imprensa apelidou.

De acordo com o IBGE, o Brasil tem 11,5 milhões de moradores em 3 milhões de domicílios localizados nessas áreas. Considerando os critérios adotados, esse número provavelmente está subestimado.

Ainda assim, os dados levantados nos ajudam a entender o fenômeno: a grande maioria dos assentamentos precários está situada em regiões metropolitanas, mais da metade no Sudeste, em cidades altamente dinâmicas do ponto de vista econômico.

Nesses assentamentos, considerando a renda domiciliar per capita, 31,6% dos moradores recebem até 0,5 salário mínimo. Fora destas áreas, esse percentual é bem mais baixo: 13,8%. Em cidades como São Paulo ou Rio de Janeiro, mais da metade das famílias que moram em favelas tem renda mensal inferior a R$ 500.

Onde é possível morar nessas cidades com uma renda menor que R$ 500 por mês? Seguramente, essas pessoas não conseguem ter acesso ao mercado formal de locação, muito menos ao de casas próprias.

E o programa Minha Casa, Minha Vida –para onde, aliás, vários dos residentes desses assentamentos vêm sendo “removidos”– não resolve as demandas desse grupo?

Não. Por duas razões. A primeira é econômica: a prestação mensal mais baixa do programa, voltada para a faixa de renda que recebe até um salário mínimo, é de R$ 50.

Se somarmos os demais custos básicos da moradia “formalizada”, como o condomínio, que não custa menos de R$ 50, a energia elétrica –no mínimo R$ 50, mais R$ 48 de gás, mais R$ 20 de água, o que sobra para, por exemplo, comer ou comprar medicamentos?

Por outro lado, para poder se enquadrar nos limites de valor estabelecidos pelo Minha Casa, Minha Vida, a totalidade dos conjuntos habitacionais do programa, em cidades com Rio e São Paulo, se localiza em periferias distantes, que requerem tempo e custo de transporte.

Resultado: em vários conjuntos entregues há pouco mais de um ano, o drama da inadimplência é grave e muitos dos moradores originais já foram embora… Vender ou sublocar os apartamentos faz parte das estratégias daqueles que percebem –com razão!– que mais que solucionar seu problema de moradia, a “casa própria” é um ativo a rentabilizar…

O problema é que essa estratégia pressupõe voltar para a favela ou formar uma nova.

Os países que em determinado momento de sua história resolveram enfrentar essa questão o fizeram com políticas de aluguel subsidiado, garantindo para as famílias de baixa renda a possibilidade de morar dignamente, mas não a propriedade.

No Brasil, porém, “locação social” significa, na melhor das hipóteses, o auxílio-aluguel que prefeituras disponibilizam para os que perdem suas casas -por desastres ou remoções forçadas- e não uma política estável e permanente.

Nem remoções nem programas como o Minha Casa, Minha Vida resolverão o problema das favelas no Brasil. Está mais do que na hora de construirmos uma política de locação social voltada para a população de baixa renda.

*Coluna originalmente publicada no caderno Cotidiano da Folha.

7 comentários sobre “Onde morar por menos de R$ 500?

  1. Com Certeza Raquel este número está subestimado, uma vez que por conta dos critérios para a definição de aglomerados subnormais exclui vários assentamentos que passaram por obras de urbanização.
    Por vezes passaram por obras, mas não deixaram de ser favelas, uma vez que a condição jurídica, em muitas delas bastante complexa, não foi resolvida, sequer equacionada e as obras que foram realizadas seguem apenas como paliativo e não com a implantação de infraestrutura de saneamento ambiental e de serviços públicos quesitos minimos para considerar que uma área é urbanizada.

  2. Realmente é um absurdo o custo e condições de moradia no Brasil.
    É claro que população de baixa renda é a que mais de prejudica, mas a classe media também não está sendo fácil não, o valor dos imóveis nas grandes cidades estão ficando inviáveis, um aluguel em Florianóplis/SC por exemplo é quase que 1/3 de um salário não tão baixo para a região. Temos que rever todos os conceitos de trazer uma moradia digna e justa para todos os setores.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s