Questão urbana é tema de nova coluna na Folha

A partir de hoje, quinzenalmente, às segundas-feiras, comentarei no caderno Cotidiano, da Folha, assuntos relacionados às cidades brasileiras e aos desafios de nossa política urbana. Também tentarei trazer experiências de outros países que tive oportunidade de conhecer especialmente nestes quase seis anos como relatora da ONU para o direito à moradia adequada. A primeira coluna saiu hoje. Confira.

Cidades: entre desafios e esperanças

Estava em Belfast, capital da Irlanda do Norte, em plena missão como relatora da ONU para o direito à moradia, chocada com os muros que separam as comunidades católicas das protestantes no norte da cidade (denominados –pasmem!– de “peace lines” –ou linhas da paz), quando recebi o convite da Folha para publicar uma coluna quinzenal em “Cotidiano”.

Aceitei imediatamente, reconhecendo o privilégio de poder abrir mais um espaço de reflexão sobre as cidades neste momento de nossa trajetória urbana. Mas por que este momento é particularmente especial?

A resposta mais óbvia reverbera as vozes dos milhões de manifestantes das chamadas “jornadas de junho” que reposicionaram o tema das cidades na agenda do país.

Embora a precariedade de nosso urbanismo e a má qualidade dos espaços e serviços públicos em nossas cidades não sejam absolutamente novidade, sempre me perguntei por que esse tema não fazia parte da agenda de debate público do país.

Tomemos como exemplo o tema da mobilidade, que hoje ocupa os corações e mentes de nossas cidades, funcionando como uma espécie de expressão máxima de nosso mal-estar urbano.

Ora, há décadas o transporte público é de baixíssima qualidade e, pelo menos desde os anos 70, andar de ônibus e trens de subúrbio nas principais metrópoles brasileiras é visto como uma espécie de calvário vivido por aqueles que, desprovidos de meios econômicos, não podem ter seu próprio automóvel.

Há décadas sabemos que são prestadores desse e de outros tipos de obras e serviços públicos que sustentam candidaturas e eleições municipais, garantindo seus negócios e a sobrevivência política de quem apoiam. Mas o tema do transporte público não “aparece” na agenda: os formadores de opinião, dentro e fora do Estado, nos meios de comunicação, nos “think-tanks” do país, salvo honrosas exceções, simplesmente não usam nem nunca usaram ônibus e trens de subúrbio.

O mesmo poderíamos dizer de muitos outros temas urbanos: a moradia e os espaços públicos, só para nomear alguns.

Entretanto, parece que alguma coisa mudou nesse cenário. Será que foi necessário generalizar a imobilidade para o tema do transporte público ganhar centralidade e relevância? Teriam sido os velhos carros da “nova classe média” e a multidão de motoqueiros disputando o espaço dos automóveis nas ruas que inverteram essa equação? Ou estaríamos diante da crise de um modelo de mobilidade insustentável para as dimensões metropolitanas?

A migração pragmática para o transporte público e as bicicleta por parte dos proprietários de veículos –fartos de ficarem presos em congestionamentos– e a mudança cultural que isso implica na relação com a cidade teriam também desempenhado um papel?

E movimentos como o passe livre e as ocupações (de prédios vazios, de espaços públicos) que, embora invisíveis para o grande público e reprimidos pela polícia, não pararam de crescer na última década? E a visibilidade crescente das relações promíscuas entre empresas e estado?

Perguntas como essas me animam a escrever esta coluna: pensar a cidade e seus desafios, trazer referências de experiências urbanas de outros países, fomentar o debate de políticas e planos, enfim, alimentar esperanças de utopias possíveis. De cidades justas e belas em nosso país.

*Coluna originalmente publicada no caderno Cotidiano da Folha de S. Paulo.

7 comentários sobre “Questão urbana é tema de nova coluna na Folha

  1. Parabéns por esse novo assunto em questão, que é realmente de grande interesse aqui no nosso País, onde milhões de Brasileiros se quer tem onde morar e sabemos disso!

  2. bem legal.. estou trabalhando o Projeto Orla no litoral catarinense, estamos trabalhando hj com o município de Florianópolis, acho q é uma grande chance poder colocar esse debate num jornal de circulação maior, pois por aqui a imprensa tem boicotado muito…podemos fazer uma matéria em conjunto..Um forte abraço

  3. parabéns
    Porém nem tudo que é bom lá fora, pode ser bom aqui. Devemos desenvolver um modelo brasileiro de urbanismo. Ou não?

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s