Protestos de motoqueiros em São Paulo e no Rio evidenciam crise da mobilidade

Foto: O Globo / Pablo Jacob

 

Milhares de motociclistas realizaram manifestações, ontem, em São Paulo, e hoje, no Rio de Janeiro. Eles protestavam contra as novas normas do Conselho Nacional de Trânsito (Contran) para motoboys y mototaxistas, aprovadas há um ano e que passariam a vigorar neste sábado (4). Uma das novas exigências é a realização de um curso de capacitação, mas os motociclistas afirmam que não houve oferta de vagas suficiente para quem buscou fazer o curso.

Além de prorrogar o prazo, o Contran decidiu autorizar autoescolas e instituições de ensino a oferecerem o curso. Até então, podiam oferecer a capacitação apenas Detrans, o Serviço Social do Transporte (Sest) e o Serviço Nacional de Aprendizagem do Transporte (Senat). Outra mudança é que estes cursos agora também poderão ser realizados a distância. As novas
normas incluem, ainda, exigências relacionadas ao veículo, ao condutor (como certidão de antecedentes criminais, por exemplo) e a equipamentos de segurança.

Durante muito tempo, o Contran resistiu em regulamentar as atividades de motofretista e mototaxista. Enquanto isso, os serviços de motoboys cresceram enormemente nas grandes cidades (em São Paulo, para se ter uma ideia, as motocicletas representam 12% de toda a frota) e os de mototaxi também se expandiram, especialmente nas periferias e favelas das grandes cidades e em pequenas cidades do interior de todo o Brasil.

As resoluções que entrarão em vigor no próximo ano, no entanto, não dizem absolutamente nada sobre as condições de circulação das motocicletas nas cidades. A realização de capacitação é importante, a obrigatoriedade do uso de equipamentos, também, mas, no fundo, nada disso equaciona a questão fundamental que é: como, em que espaços e condições as motos circulam nas cidades. Alguns poucos ensaios de equacionamento desta questão da circulação – por exemplo, as faixas exclusivas para motos experimentadas em São Paulo – não foram adiante.

Fruto da inexistência (ou da precariedade) de um sistema de mobilidade urbano eficiente e acessível a todos e do baixo preço e agilidade das motos, a explosão da presença destes veículos nas cidades se transformou em tema de saúde publica (em função do grande número de acidentes e mortes) e em mais um desafio para as políticas urbanas, que a resolução do Contran, implementada ou adiada, está longe de equacionar.

3 comentários sobre “Protestos de motoqueiros em São Paulo e no Rio evidenciam crise da mobilidade

  1. Esta é apenas MAIS UMA demonstração de incompetência/ausência do Estado, em nosso País. NADA será suficiente enquanto o TODO permanecer deficiente!

  2. Não me parece que a solução para o trânsito passa por essa medida, que soa muito mais como uma combinação de real má qualidade das auto-escolas e vontade de criar mais um motivo para arrecadar. Resumindo, foco errado, medida errada, mais uma vez.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s