Shopping não pode ser inaugurado sem as obras que minimizem seus impactos no trânsito

Na última quarta-feira, a Justiça de São Paulo manteve a decisão de não permitir a inauguração do Shopping JK Iguatemi, na Vila Olímpia, antes da construção das obras viárias exigidas pela prefeitura quando da aprovação do seu projeto. Qualquer grande empreendimento em São Paulo que se enquadre como polo gerador de tráfego, antes de iniciar suas atividades, precisa realizar uma série de obras, a fim de minimizar os impactos no trânsito do seu entorno. Para se ter uma ideia do tamanho do impacto, este shopping abrigará quase 8 mil novas vagas de estacionamento.

As exigências feitas ao Shopping JK Iguatemi – maior empreendimento da cidade em área construída (401.961,82 m²) – foram a construção da alça viária que liga a Avenida Juscelino Kubitschek à pista auxiliar da Marginal Pinheiros, a execução de uma quarta faixa na pista local da Marginal, o prolongamento da ciclovia que margeia o rio e a construção de uma passarela para interligar a faixa exclusiva de bicicletas ao Parque do Povo. Destas, apenas as obras da ciclovia foram iniciadas.

A decisão da Justiça está correta. Não se trata de uma exigência formal de entrega de obras, mas da preocupação pertinente com a circulação de veículos e pessoas na região, hoje já totalmente congestionada. Se a Justiça aceitar as pressões destes empreendedores, corremos o risco de que esta moda “pegue”, e aí, se todo grande empreendimento deixar para depois as obras que minimizam seus impactos no trânsito, imaginem como ficará a já tão caótica mobilidade nesta cidade…

8 comentários sobre “Shopping não pode ser inaugurado sem as obras que minimizem seus impactos no trânsito

  1. acho otimo nao dar o Auto de conclusao e mais deveria vincular o concedimento do Auto de Conclusao ,as obras exigidas sempre no rodape do alvara de construcao ,como e’ feito para obras de seguranca….pois afinal mobilidade e’ seguranca ………………………….

  2. Eu, diferente de algumas pessoas que conheço, que são contra novas grandes obras em São Paulo, sou a favor que nossa cidade cresça e se torne cada vez mais pujante. Uma obra dessa envergadura só traria mais investimentos para a capital. Pena que os construtores pensem tão pequenos.

  3. Bom dia Raquel!
    Os “Polos geradores de tráfego” foi assunto de uma questão da prova ontem (15/04) do concurso da SEMPLA/SEHAB para “Especialista em Desenvolvimento Urbano”. Entretanto, essa (e outras 2 ou 3 questões) foram
    as únicas pertinentes à legislação urbana! As outras 42 questões (de um total de 45) tratavam exclusivamente sobre detalhes do Código de Edifcações e normas da ABNT. A redação foi descrever sobre o “cobogó”. Eu me pergunto – assim como todos os outros participantes com quem conversei: Que sentido faz focar uma prova para os futuros urbanistas da SEMPLA em conhecimentos de arquitetura, e nessa um aspecto tão restrito como detalhes técnicos do projeto? Isso é urbanismo para o órgão paulistano? Ou será que essa desconsideração de aspectos ligados à política urbana (modelo urbanístico, expansão da cidade, exlusão sócio-espacial, habitação, mobilidade, patrimônio histórico, ocupação predatória das várzes e vários outros) representam a maneira de “urbanizar” da prefietura paulistana? De toda forma, acredito que não foi um “acaso”, nem mesmo uma mera opção funcional da Vunesp para selecionar as centenas de candidatos.

  4. Tem toda razão minha colega Clara. Na prova de Engenharia, vi-me na obrigação de relembrar conceitos acadêmicos adequados às provas vestibulares ao invés de questões atinentes às operações urbanas, cepacs, plano diretor, preservação do meio ambiente, segurança, acessibilidade, etc. NÃO HOUVE UMA QUESTÃO DE COMPREENSÃO DE TEXTO ???!!! ou de conhecimentos gerais. Ora ! O cargo é de ESPECIALISTA EM DESENVOLVIMENTO URBANO. Ser Engenheiro ou Arquiteto é condição preliminar, mas o exercício do cargo deve requerer uma visão global que independe do cálculo da potência de uma bomba de recalque ou do traço do concreto. Fui um dos que fez o curso preparatório da SEAM, o qual foi muito mais focado para o tema. Porém, não foi dinheiro jogado fora, eis que, para os aprovados no concurso, ele será de grande ajuda na lapidação do profissional que atuará na SEMPLA/SEHAB.

  5. Raquel,
    Por falar em urbanismo competente, de qualidade, parabéns pelo Seminário na UNICAMP quarta passada!! Adorei!
    Estou a toda na campanha do Marcio Pochmann em Campinas, que ganhou as prévias com 70% dos votos.
    Gostaria de fazer algum link e ficar a sua disposição para alguma militância, contribuição que eu possa fazer.
    Abraço!!

  6. Infelizmente não há contrapartidas, trabalho na região e realmente o transito é caotico e o transporte público também. O shopping vai se prender as sutilezas jurídicas para não fazer nada e a PMSP vai lavar as mãos dizendo que é pelo bem da cidade…

  7. Pois então, Arq. Raquel… hoje 22.06.12 o tal do Shopping foi inaugurado. O que será que aconteceu? O viaduto prometido não foi feito e mesmo assim o shopping foi inaugurado (como era de se esperar). O transito pelo local ficou muito pior (como se pudesse, mas pode!) do que era antes do shopping existir. E agora? Vamos ficar com as promessas da Prefeitura e do Sr.Walter Torres Jr. ( o dono da empreiteira responsável por “aquilo”) de que em determinado prazo, o viaduto será construído. Quem viver verá! Isso é que é RESPONSABILIDADE SOCIAL! Salve as autoridades desta cidade! Salve as construtoras! Mais um engôdo! PAÍS SEM JUÍZO E QUE NUNCA TERÁ!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s