Algo mudou no crescimento das cidades brasileiras?

Minha coluna do Yahoo! esta semana, sobre o crescimento das cidades brasileiras, recebeu um grande número de comentários de leitores, especialmente com relação à questão do deslocamento de nordestinos para a região sudeste. Infelizmente, foram muitos os comentários preconceituosos, mas, ainda bem, muitos leitores também se manifestaram contra essa postura.

Ainda sobre essa questão, cabe ressaltar que a migração interna de nordestinos teve início nos anos 1940 e foi muito intensa entre os anos 1950 e 1980, mas, no caso de São Paulo (já que foram muitos os comentários que se referiram à cidade) o maior contigente de imigrantes nesse período não veio do Nordeste, e sim de Minas Gerais.

Mas esse é um assunto para outro post… segue abaixo a reprodução da coluna.

Algo mudou no crescimento das cidades brasileiras?

Existem vários mitos sobre o crescimento das cidades brasileiras. Um dos mais fortes é o de que cidades como São Paulo, Rio e Belo Horizonte crescem por conta da migração de nordestinos. Esse mito tem origem no preconceito e ajuda a reforçá-lo – no Rio de Janeiro, por exemplo, os imigrantes são chamados de “paraíbas” e, em São Paulo, de “baianos”. Desde pelo menos a década de 1990, os dados do censo vêm mostrando que esse mito não corresponde bem à verdade.

O número de pessoas que saiu do Nordeste para outras regiões caiu de cerca de 800 mil, entre 1995 e 2000, para 97 mil entre 1999 e 2004. Essa tendência foi ainda mais reforçada no último período. Além disso, o destino das pessoas que saem do Nordeste há muito tempo deixou de ser as grandes cidades do Sudeste. Os pólos de migração do país hoje – na verdade, há mais de 10 anos – localizam-se, principalmente, na região de expansão da fronteira agrícola, em estados como Mato Grosso, Goiás, Amazonas e Amapá. Uma novidade mais recente é que também os estados do Espírito Santo, Santa Catarina e Rio Grande Norte também vêm atraindo população no último período.

Outro mito que costuma aparecer na imprensa quando o IBGE divulga dados de crescimento das cidades é o do fim da superconcentração populacional, construído a partir de uma leitura equivocada dos dados que mostram que são as cidades médias as que mais crescem no Brasil. De fato, algumas cidades que não são capitais e não estão em regiões metropolitanas tiveram grande crescimento e se transformaram em pólos regionais. Mas o discurso do fim da superconcentração não corresponde à realidade, pois esconde um fenômeno muito forte e importante que é o contínuo crescimento das periferias urbanas e metropolitanas. Em 1991, a população das regiões metropolitanas representava 34,9% do total ; em 2000, 36%; e hoje, 36,2%.

Em resumo: preços altos do solo, especulação imobiliária, políticas habitacionais que fortalecem a produção de novas moradias apenas em municípios das periferias, investimentos em expansão rodoviária que geram eixos de expansão, tudo isso tem provocado uma migração intrametropolitana, que faz com que os municípios da fronteira metropolitana explodam em termos populacionais. A Grande São Paulo é um bom exemplo disso: 34 dos 39 municípios que formam a região metropolitana cresceram mais do que a capital.

Percebe-se que uma parte importante das tais cidades médias que mais crescem, na verdade, está nas metrópoles e em suas fronteiras. O fim da superconcentração populacional, portanto, ainda está bem longe de acontecer. Enquanto isso, continuaremos presos, diariamente, nos congestionamentos das Anhangueras e Dutras da vida.

P.S. Para saber mais sobre o tema das migrações e do crescimento populacional no Brasil, leia o documento“Reflexões sobre os Deslocamentos Populacionais no Brasil”, divulgado pelo IBGE no dia 15 de julho.

O mapa abaixo (Taxa de crescimento da população, segundo os municípios – Brasil – 2000/2010) é do IBGE e o original está disponível no documento mencionado acima. A linha branca, inserida por mim, marca as regiões metropolitanas.

Texto originalmente publicado no Yahoo!Colunistas.

5 comentários sobre “Algo mudou no crescimento das cidades brasileiras?

  1. Sra. Raquel:
    li seu artigo, não gostei.”Algo mudou ….
    veja a polêmica que causou, entre paulistas/paulistanos e nordestinos.
    Será que a senhora é nascida neste país tropical, pelo visto não, então
    pense melhor no que escrever em suas matérias. Não faça com que nosso
    povo se vire uns contra os outros, queremos viver em paz.

    • Sra. Lúcia Gonçalves, eu acho que você não entendeu muito bem o teor do artigo! Sempre é bom reler para confirmar o bom entendimento do mesmo! A Sra. Raquel está justamente colaborando com a paz entre paulistanos e nordestinos ao revelar que algumas idéias enraizadas no imaginário popular do paulistano não passa de um mito!

  2. Raquel
    Parabéns pelo seu blog. É importante divulgar os dados do Censo 2010 e avaliar as conseqüências sobre as cidades brasileiras,e especialmente SP.
    MRosario Salles

  3. Certas pessoas misturam as coisas de uma forma incrível. Acreditar que o adequado é não tocar num determinado assunto para evitar polêmica (debates, opiniões divergentes, etc), ou atribuir as demonstrações de preconceito à um artigo que, no sentido contrário, condena essas posturas preconceituosas; é literalmente gostar de viver numa “Caverna de Platão”.
    A melhor forma de combater preconceitos é através do debate, da discussão; os quais geram novas reflexões e a possibilidade de mudança de paradigmas e opiniões.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s