Demolir e reconstruir: será essa a solução para a região da Luz?

Na última sexta-feira, a imprensa paulistana divulgou a decisão da prefeitura de reduzir as áreas a serem demolidas na Luz como parte do projeto de renovação urbanística da região. A medida foi anunciada após muita pressão por parte dos comerciantes da rua Santa Ifigênia. Mas essa redução foi ínfima – a proposta inicial estipulava a desapropriação de 66% dos imóveis. Agora são 61%. Ou seja, isso não muda em nada o caráter impositivo do projeto em questão, nem a lógica em que se insere: a de passar uma borracha nos problemas da cidade para eliminá-los de uma só vez.

Este parece ser o princípio do projeto Nova Luz: a partir de uma leitura que identifica a região como “cracolândia”, o projeto pretende apagar, da paisagem e da vida urbana de parte do centro de São Paulo, os usuários de drogas e, junto com eles, toda a população em situação de rua, o comércio, os mais de 12 mil moradores do bairro Santa Ifigênia, sua história e sua memória. A intervenção urbanística que pretende acabar com a “cracolândia”, na verdade, incide sobre um dos centros comerciais mais dinâmicos de toda a cidade e pretende substituir toda a estrutura consolidada por novos empreendimentos.

Remover lojistas e moradores para demolir o bairro, a fim de erguer edifícios mais altos, tem a ver com uma estratégia de renovação urbana baseada em um conceito de parceria público-privada no qual é necessário garantir uma alta rentabilidade para viabilizar o negócio. Sob esta lógica, portanto, o melhor é demolir o máximo possível para construir um modelo totalmente distinto. Isso nada tem a ver com respostas ao problema do crack (que é real). Lançamentos de novos empreendimentos imobiliários seguramente não vão resolver uma questão social e de saúde.

Ninguém tem dúvidas de que o centro precisa de investimentos e de iniciativas que o requalifiquem. Mas qualquer projeto urbanístico que pretenda realizar uma renovação na área tem por obrigação incorporar, em suas diretrizes e em seu programa de ações, a população residente e trabalhadora do local. São essas pessoas, e as relações que elas estabelecem com o espaço, que fazem do bairro Santa Ifigênia um lugar tão vivo e dinâmico na cidade.

O patrimônio edificado do local, o tecido urbano e a morfologia – um dos últimos testemunhos de uma estrutura fundiária paulistana do século XVIII – também merecem ser respeitados. A vocação da área central como espaço para todo tipo de atividade humana e todo tipo de gente permite isso. Quem disse que não é possível reabilitar áreas, respeitando a população residente, moradora e freqüentadora do local, suas residências, estabelecimentos comerciais e demais imóveis? Que história é essa de que o único valor reconhecido na cidade de São Paulo é o do potencial construtivo?

6 comentários sobre “Demolir e reconstruir: será essa a solução para a região da Luz?

  1. O conceito de tábula rasa no Brasil, se aplica a todo tipo de revitalização urbana nas cidades, atualmente o meio urbano, passa por reformas parecidas com as que houveram no passado. Prestes Maia derrubou a São Paulo antiga para abrir suas avenidas, com o discurso do progresso e industrialização, hoje sabemos que homens e máquinas não podem conviver no mesmo espaço, porém, ainda projetamos como antes, derrubando o velho e fazedno o novo. Até quando essas novas instalações da nova luz ficarão de pé, será que algum dia vamos derrubar tudo de novo para reformar novamente? Cidades como o Rio de Janeiro passou pelo mesmo efeito, “bota abaixo” Pereira Passos também demoliu o Rio antigo, dislumbrando a capital francesa. Os princípios urbanísticos e arquitetonicos ainda são arcaicos, devemos mudar o nosso comportamento e estar aberto ao convívoi social.

  2. Raquel, gostaria de conversar com você sobre habitação para baixa renda para uma entrevista. Como te acho? (clarice.spitz@oglobo.com.br)
    Abs

  3. O Centro de São Paulo precisa de intervenções que preservem a sua paisagem, a sua história e que, acima de tudo, respeite as pessoas.

  4. Nada mais próprio para governos tão próximos ao capital imobiliário do que retirar as rugosidades do território que amarram a apropriação por esses agentes, mas sempre esquecem que são rugosidades apenas para quem quer usufruí-lo de forma especulativa e não como meio de vida, como é para a população que lá está consolidada há muito tempo com um comércio próprio da área.

    Não se resolve o problema da “Cracolândia” com medidas assim, porque esses territórios são móveis no tempo e espaço, como mostra Marcelo Lopes de Sousa e Sack, no aspecto conceitual, assim quando esse projeto de requalificação estiver pronto, como não haverá medidas conjunturais para tratar desse problema, a Cracolãndia existirá em outro local da capital paulista.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s