As cascas de banana do censo

Na semana passada, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou os dados do nosso último censo, realizado em 2010. Em primeiro lugar, é preciso destacar a importância do censo para a elaboração de políticas públicas e a seriedade e profissionalismo com que o IBGE conduz este trabalho.

Para além disso, é preciso atenção e cuidado com a leitura do censo, a fim de evitar mitos e falácias em torno da interpretação dos seus dados. Por exemplo, a ideia de que o ciclo de grande concentração metropolitana tenha se esgotado e de que hoje são as cidades médias que lideram o crescimento do país não é verdadeira, já que entre as cidades médias que mais crescem estão justamente aquelas que compõem a periferia das regiões metropolitanas.

Uma notícia do Observatório das Metrópoles traz essa questão, promovendo uma leitura mais aprofundada dos dados e mostrando que a população continua ainda muito concentrada nas metrópoles, hoje ainda mais que dez anos atrás. A população das regiões metropolitanas representava 34,9% do total em 1991; 36%, em 2000; e hoje, 36,2%.

Portanto, a concentração da população nas metrópoles continua firme (assim como seu desgoverno), ainda que algumas regiões metropolitanas, como a de São Paulo, Rio, Porto Alegre e Recife tenham diminuído sua participação na população total do país. Uma leitura apressada dos dados por encobrir essa realidade.

Outro aspecto que necessita de uma leitura mais atenta é a proporção entre população urbana e rural. De acordo com os dados divulgados pelo IBGE, 84,4% da população brasileira seria urbana. Mas o Instituto considera como urbano as sedes municipais e ainda tudo que cada município define em lei como perímetro urbano.

O pesquisador José Eli da Veiga, da Universidade de Campinas, tem levantado esta questão: como definir como “urbana” a população de um município de mil habitantes, com características eminentemente rurais?

Me parece muito discutível classificar como população urbana moradores de cidades com, por exemplo, 5 ou 10 mil habitantes, apenas porque essa população reside na área demarcada como perímetro urbano do município.

O fato é que quase um terço da população brasileira vive em cidades muito pequenas, com escassa urbanidade. Ao não diferenciar estas realidades sócio-territoriais, corremos o risco de desenhar políticas urbanas que têm como referência as médias e grandes cidades, ignorando as especificidades deste universo composto de milhares de municípios, que concentram um terço da população do país.

2 comentários sobre “As cascas de banana do censo

  1. Boa noite Professora Raquel !!!

    Também constatei dados curiosos no Censo 2010. Baixei e vi muitos dados interessantes, como a cidade de Rio das Ostras no Estado do Rio de Janeiro ser a cidade com maior crescimento populacional e Palmas no Tocantins sendo a capital com aumento também. No Blog da Aurora Consultoria, que não esta divulgando ainda, fiz uma analise do Censo focando no transporte metropolitano das regiões de São Paulo, Campinas e Baixada Santista e percebi como desperta a cobiça de grandes grupos de empresas de ônibus, quase caracterizando um monopólio em algumas áreas de cobertura.

    Até breve contatos.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s