2,4 milhões de pessoas em São Paulo estão excluídas do direito à comunicação postal

Uma matéria do Diário de São Paulo me chamou a atenção no início desta semana: segundo o jornal, mais de 2,4 milhões de paulistanos não possuem CEP (código de endereçamento postal) e, portanto, estão excluídas do direito à comunicação postal. Obviamente, a imensa maioria dessas pessoas reside em assentamentos precários onde as ruas não são registradas.

A verdadeira integração deste vasto tecido urbano autoconstruído requer uma abordagem global, integrando a regularização administrativa – casas numeradas, em ruas com nome oficializado junto à prefeitura – com a regularização urbanística e ambiental, melhorando os equipamentos públicos e a infraestrutura do local. Mas o maior desafio que ainda permanece é: como parar a máquina de produção de assentamentos precários?

Leiam abaixo a matéria:

Mais de 2,4 mi de paulistanos não conseguem receber cartas em casa

Há mais de 2,4 milhões de paulistanos para quem receber correspondência em casa é um luxo inatingível. Correio improvisa em ruas clandestinas

A cidade tem um contingente de 2,4 milhões de pessoas que não têm um direito elementar de cidadania: o de receber cartas em suas casas. São pessoas que vivem excluídas do mapa da comunicação postal. Em sua maioria, vivem na periferia, onde as ruas muitas vezes não têm nome nem Código de Endereçamento Postal (CEP) e as casas não têm número. Desse total, apenas 40 mil pessoas ou 13.464 famílias utilizam as caixas postais comunitárias dos Correios, espalhadas em 122 pontos do município.

As demais usam os mais variados expedientes. Como “emprestar” o endereço de algum conhecido para receber uma carta. Existem casos de endereços com CEP, próximos a favelas e loteamentos clandestinos, que recebem até 10 mil cartas numa única caixa.

Entre as 91.232 ruas, avenidas e praças de São Paulo, existem 224 vias que aguardam denominação. Nesses lugares, os moradores são vítimas das entregas e cartas que nunca chegam. Além disso, sofrem para se inscrever em programas assistenciais.

Engenheiro Marsilac, no extremo Sul da cidade, é o campeão entre os bairros com ruas sem nome e CEP. Apenas duas ruas possuem o código. São 44 ruas sem nome e sem CEP no distrito. “Estamos lutando há mais de nove anos para regularizar essas ruas mas não conseguimos até agora”,  disse a presidente da Associação Comunitária Maria Lúcia Cirillo. A associação faz certificados de residência para quem precisa e recebe, por meio de uma caixa postal comunitária, cartas de quem vive nessas ruas. “Esse sistema provisório vai funcionando mesmo que precariamente e, por isso, a Prefeitura e os Correios se acomodaram.”

Mesmo assim, afirmou a presidente da associação, muita correspondência se perde antes que chegue ao destinatário. “Dá muita pena quando a gente não consegue localizar o destinatário de alguma correspondência”, disse. “Principalmente quando a gente abre para ver se tem alguma pista e vê que é coisa importante, notícia de morte, de emprego ou um cartão do Bolsa Família”.  Para Maria Lucia Cirillo, é um atestado de atraso: “Até os índios da Amazônia recebem suas cartas. Aqui, na maior cidade da América Latina, ainda tem gente que tem que emprestar o endereço de outro para poder receber uma carta.”

Elza de Oliveira, moradora do Jardim Paraná, na Zona Norte, “emprestava” o endereço para receber correspondência. “Dava o CEP da casa da minha cunhada”, disse. Agora ela usa a caixa postal comunitária, instalada no bairro pelos Correios. “É muito desconfortável ter que ir até a caixa para receber aquilo que podia chegar na minha casa”. Esse desconforto é criticado também por Valquíria Aparecida de Jesus, outra usuária do sistema de caixa postal comunitária. “Eu morava em Buri, uma cidadezinha de 20 mil habitantes, e recebia correspondência em casa. Agora moro em São Paulo, com mais de 10 milhões de habitantes, e tenho de vir buscar minhas cartas na caixa postal comunitária.”

7 comentários sobre “2,4 milhões de pessoas em São Paulo estão excluídas do direito à comunicação postal

  1. Prezada Raquel,
    Por que será que parte dos legisladores se preocupa mais em dar nome às ruas do que criar os CEP´s dos logradouros? Os parlamentares deveriam aproveitar o pouco tempo que ainda resta para agirem enquanto mediadores da população e os poderes públicos. Daqui a pouco, os tentáculos dos governos eletrônicos agirão independentemente dos legisladores e CEP´s das vias públicas e, quem sabe, irão considerar mais o CPF do cidadão, o IP do computador que a pessoa usa ou o IMEI, número de série que identifica o aparelho de telefone celular na rede GSM.
    Parabéns pelos temas abordados no blog!
    Antonio Carlos Silva.
    Jornalista e mestre em História.
    Cuiabá-MT.

  2. Raquel
    não é só isso não, uma réles falta de interesse político… Por exemplo, Valdeci (q faz faxina quinzenal aqui em casa, se mudou p a rua das Flores, em Santa Cruz, na zona oeste da cidade do Rio de Janeiro, cerca de duas horas de ônibus do Centro até lá), pois bem, ela não consegue atualmente receber correspondência pq está acontecendo uma “troca de milícia”. O correio nunca entrega as cartas, até há pouco tempo, deixava a tarefa nas mãos de um trabalhador da milícia (Valdeci paga uma taxa mensal ao grupo, onde está incluído água, luz, correio, segurança! Não sei ao certo quanto ela paga por mês, posso perguntar). Mês passado, durante uma semana, por conta do desaparecimento do grupo que administrava a região de Valdeci, os moradores do seu entorno ficaram sem televisão (algum tipo de antena foi retirado e um dia sem luz). Agora, ela me disse q para receber a correspondência terá que pagar cinco reais numa birosca que avisará a respeito. Perguntei se era por mês, “não, é toda vez q chegar e alguém avisar!”. Neste mês, sua filha, q está com treze anos, insistiu para a mãe comprar um computador, em dez prestações compraram um netbook. Sabe quanto é o serviço de velox em Santa Cruz, q Valdeci fez e paga mensalmente a um agente trabalhador da milícia? Quarenta reais!!!!! Pela instalação ela pagou alguma quantia, não lembro mais se foi vinte ou outros quarenta!
    O q a gente pode sempre pensar é, quem continua ganhando com isso tudo?, quais são os novos agentes envolvidos?, os pobres são mais explorados agora ou tempos atrás? Como resistir a isso? Fazer gatos mas os gatos são controlados pela milícia q é polícia e estado e empresas privadas, tudo junto.
    Desculpe-me o comentário longo………… mas é muita desigualdade, acho q só a indignação pode nos salvar!
    abçs
    Adriana Fernandes

  3. Amiga Presidente da Associaçao reclamante, estou como Presidente de uma Associação de Moradores na Cidade de Cabo Frio RJ, uma parte do bairro tem CEP, a outra não, estou tendo muito trabalho mas estou cercando de todas as formas. Primeiro tem que criar nome para as ruas depois, arranjar um vereador para fazer um projeto de lei para registrar as ruas, tem tb que numerar as casas em ordem (torço para que tenha lei de abairramento em sua cidade) caso nao tenha lei de abairramento tem que ser criado pela camara de vereadores e colocado na lei organica do municipio pois so assim os correios colocaram CEP, agora , vao alegar que n tem funcionarios para fazerem a entrega. Espero que vc consiga pois nao e facil.
    Robson Pinheiro (Associação Vila do Ar)

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s