Kicked Out for the Cup?

Matéria da revista Newsweek para a qual fui entrevistada sobre megaeventos esportivos e direito à moradia.

Kicked Out for the Cup?

South Africa is accused of clearing Cape Town slums to clean up for the big event.

Victor Gumbi sits pensively beside a smoldering fire in a newly cleared lot, literally in the shadow of the recently renovated Ellis Park Stadium, one of the many venues where South Africa will host the World Cup football tournament, which kicks off this week. South Africa billed the world’s most popular sporting event as a boon to development that would help lift millions out of poverty, but Gumbi, a 35-year-old day laborer, says things are only getting worse. Not long after South Africa was awarded the tournament, an entire city block in the neighborhood where he lives was slated for destruction as part of a larger urban-regeneration scheme around the stadium, as Johannesburg began preparing for the throngs of tourists expected to come pouring in over the next few weeks. Late last year, the run-down building where Gumbi was squatting was torn down, leaving him in a small, jerry-built shack in the middle of a block of half-demolished houses that local residents have nicknamed “Baghdad.” Now many residents who’d been living in the area’s abandoned buildings for well more than a decade feel they’re being forced out because of the World Cup. “They want to hide us. They don’t want the Europeans seeing the people living here, so they demolished these dirty houses,” says Gumbi, who’s convinced he’ll be removed once and for all before the games actually begin.

Johannesburg city officials deny that any removals have taken place specifically for the tournament. Nevertheless, allegations of forced evictions for the World Cup have been sprouting up all over the country. Local headlines accuse South African police of rounding up the homeless and dumping them miles away (a charge the police deny), while residents from across Cape Town claim they’ve been relocated from their squatter settlements and dilapidated buildings to a temporary camp on the outskirts of town before the football fans arrive. In this case as well, the city dismisses such accusations, but it wouldn’t be the first time people have been uprooted in advance of a global sporting event. When Seoul hosted the 1988 Olympics, an estimated 15 percent of the population was displaced as a result of the capital’s overhaul. And 20 years later, it’s thought that far more than a million residents in Beijing found themselves in the path of a bulldozer in the run-up to the 2008 summer games. Now a recent report on such mega-events by the United Nations’ special rapporteur on adequate housing, Raquel Rolnik, states that in many current cases human rights are going out the door as host cities, including Cape Town, are being cleaned up to appeal to spectators.

For South Africa, the first World Cup on African soil was supposed to be different. Initially heralded as an opportunity to raise standards of living for the country’s roughly 25 million impoverished citizens, organizers laid out a development agenda for ensuring that benefits trickled down to the lowest rungs of the socioeconomic ladder. Since then the country has invested more than $4 billion in stadiums and upgrading its airports and other infrastructure. But in recent weeks government ministers have sought to play down expectations over its economic payoff, while commentators warn of being left with nothing but “white elephant” stadiums after the games end. For starters, the global recession has caused a dramatic reduction in the number of projected visitors, down nearly 25 percent to 373,000. And as the kickoff approaches, FIFA’s demands for a commercial exclusion zone around the venues for its official sponsors such as McDonald’s and Coca-Cola have come as a blow to thousands of South Africa’s street traders, who say they’re being pushed out for the monthlong event. President Jacob Zuma has pleaded with South Africans not to air the country’s problems in front of World Cup visitors, but with the opening match just days away, angry protests over evictions and substandard living conditions have flared up in many cities and squatter settlements.

Perhaps nowhere is that frustration more palpable than in Cape Town. Rolnik reports she received numerous complaints—more than anywhere else in South Africa—about residents being forced out for the World Cup and relocated more than 16 kilometers outside of town in a “temporary relocation area” known as Blikkiesdorp, or Tin Can Town. With Table Mountain as a backdrop, the sprawling, remote camp consists of about 1,700 identical metal huts on a wide plain of gravel surrounded by heavy concrete fencing. Housing-rights campaigners contend that plans to move people to these relocation areas, far from schools and job opportunities, are in violation of international human-rights standards, and newcomers complain of ill treatment by the police and freezing temperatures. “Why couldn’t they have put us somewhere else instead of here?” asks Francisco Green, whose family had just been relocated from a hostel they’d been squatting in near Cape Town’s newly refurbished practice stadium. “It was much better where we lived. We’re going to go through our first winter, and I think it’s going to be a disaster.”

Several miles away from Blikkiesdorp is the most prominent example of forced evictions cited in the U.N. report: a vast conglomeration of shacks known as the Joe Slovo informal settlement (named after the anti-apartheid activist and former housing minister). The settlement lines the highway between Cape Town and the city’s international airport, making it one of the first sites greeting incoming visitors. Because of its high visibility, it was targeted for a national pilot project shortly after the country was awarded the World Cup in 2004. The project would have completely razed the shacks and moved as many as 20,000 people to a temporary camp to make way for new, more attractive housing. Critics say the project was nothing more than an attempt to beautify the city for 2010, and angry residents last year won a Constitutional Court ruling that imposed such costly conditions on the eviction order that the government dropped the plan to move them, but only after several thousand people had already been evicted.

It’s not clear how many of the recent evictions would have taken place even if the World Cup had never come to South Africa. When the African National Congress came to power with Nelson Mandela as president in 1994, it promised to build a free house for virtually everyone living below the poverty line as a means of redressing the effects of apartheid, which essentially restricted nonwhites from owning property and living in cities. In practice, this new government housing has only pushed many poor blacks from urban centers to low-income ghettos miles outside of town. Now, with a mounting backlog and limited funding, the program that began by building actual homes is often reduced to warehousing people in rural transit camps, some far worse than Blikkiesdorp. Rhodes University professor Richard Pithouse says that there are currently 100 court cases challenging evictions in Durban, and that none of them can be connected to the World Cup, although the link has been made in the press. “This idea that mega-events lead to evictions has become very popular,” says Pithouse. “This is very worrying because people were being evicted long before we got the World Cup, and they will be evicted for a long time afterward.”

Critics say that political leaders in many emerging economies see no place for the poor in their vision of “world-class” cities, the kind fit to host major international events. Illustrating this, Marie Huchzermeyer of the University of Witwatersrand says South Africa is misinterpreting the U.N.’s Millennium Development Goal for improving the lives of slum dwellers. The U.N. meant to encourage nations to bring services like water and electricity to informal settlements, but South Africa took this as a mandate for “eradicating slums”—a phrase recently used by Zuma’s new minister of human settlements, Tokyo Sexwale. The country has set a target for slum-free cities by 2014, and Huchzermeyer says its approach is being mimicked from Morocco to Angola and Zimbabwe. That’s a troubling prospect for a continent in which the majority of the urban population lives in slums.

Rolnik warns that as more developing countries vie to host global sporting events, the greater the risk that slum-clearance campaigns will become more aggressive. The 2010 Commonwealth Games will be hosted in Delhi, where Rolnik’s predecessor, Miloon Kothari, reported that 300,000 people have been removed to make the city “slum-free” by the opening ceremony later this fall. The 2014 World Cup and the 2016 Olympics will take place in Brazil, where Rolnik reports that 35 “informal communities” already face eviction for the event, and this in a vibrant democracy with a long history of recognizing the rights of “informal settlers.” Rolnik says the International Olympic Committee did cooperate with the U.N. report, and agreed to begin including protections against evictions in its bidding process. FIFA, says Rolnik, never responded to repeated U.N. requests over several years for information. FIFA told NEWSWEEK that it “never requested any move or ‘cleaning-up’ of areas in any host city” for this year’s World Cup. However, it’s also unclear whether it has done anything to prevent it.

For people like Victor Gumbi in Johannesburg and those still living in the Joe Slovo informal settlement in Cape Town, such as 64-year-old Nonqaba Lujalajala, the threat of the World Cup has felt very real. Lujalajala built her diminutive shack in Joe Slovo shortly after the fall of apartheid, a time filled with pride and optimism for the future. Today, 16 years later, she says she’s glad football fans from all over the world will be confronted with the reality of her situation on their way to the games. “I’m still starving here,” she says, and now visitors will see South Africa as it really is, not how some of its leaders had hoped it would appear.

This story was supported by the Henry Demarest Lloyd Investigative Fund at the Center for Investigative Reporting.

Fonte: http://www.newsweek.com/2010/06/04/kicked-out-for-the-cup.html

4 comentários sobre “Kicked Out for the Cup?

  1. Pingback: Raquel Rolnik: Removidos pelos megaeventos são os últimos a saber | Viomundo - O que você não vê na mídia

  2. Prefeita de Cubatão quer rediscutir projeto de jardim botânico e recorre ao BID
    Thiago Macedo

    Aproximadamente 1.400 casas formam o Bairro Água Fria; comunidade é contrária à sua extinção
    A prefeita Marcia Rosa vai recorrer ao Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e a “todos os setores possíveis” do Palácio dos Bandeirantes para tentar rediscutir o projeto de criação do Jardim Botânico de Cubatão e evitar a extinção o Bairro Água Fria, onde vivem cerca de 7 mil pessoas.

    > Você concorda com a permanência de algumas famílias do bairro Água Fria na área do futuro Jardim Botânico? Opine

    A decisão foi tomada horas depois da chefe do Executivo cubatense ser informada sobre a apresentação do projeto do futuro Jardim Botânico, na Água Fria, em Cubatão, aos representantes do Polo Industrial pelo secretário estadual de Meio Ambiente, Bruno Covas, na manhã da última quarta-feira.

    O BID é o maior financiador do projeto, orçado em US$ 16 milhões, e faz parte do Programa Serra do Mar. Ontem, Marcia Rosa convocou uma reunião com vereadores, moradores do bairro afetado e a imprensa para externar a sua indignação com o Governo do Estado. O motivo foi a “quebra da promessa” que o secretário estadual fez aos representantes do Município, de que avaliaria um projeto alternativo para a construção da sede do Jardim Botânico na Cidade elaborado por técnicos da Prefeitura.

    Os documentos foram apresentados a Covas no dia 19 de maio deste ano, em uma reunião na Capital. No encontro, Bruno Covas disse aos representantes do Município que encaminharia o projeto à assessoria jurídica da Secretaria de Meio Ambiente e à Secretaria de Habitação para avaliar a sua viabilidade. O Governo Municipal sugere em seu projeto a manutenção de parte da Água Fria e a modificação do traçado dos limites do Jardim Botânico.

    Com uma área de 3 milhões 641 mil e 200 m2, o parque foi criado no ano passado por decreto do então governador Alberto Goldman e prevê a construção da sede justamente no local onde hoje estão cerca de 1,4 mil moradias ocupadas por cerca de 7 mil pessoas. “Quando li a matéria (sobre a apresentação do projeto original do Jardim Botânico aos representantes do Polo) hoje (ontem) me surpreendi. O Bruno (Covas) havia se colocado à disposição para discutir o assunto”,reclamou a prefeita na abertura da reunião.

    Reunião com o BID

    A Administração Municipal defende que parte dos moradores da Água Fria continue no bairro (os que estão próximos ao Rio Cubatão teriam de sair) em um futuro conjunto habitacional ecologicamente correto, integrado com o Jardim Botânico. Na proposta da Prefeitura, a área do parque seria ampliada para 5,7 milhões de metros quadrados, mas com um traçado diferente.

    A Água Fria ficaria fora do Jardim Botânico e a sede do empreendimento seria construída em uma região mais próxima à sede do núcleo Itutinga Pilões, no Parque Estadual da Serra do Mar. Ali existem alguns sítios e já ocorreram intervenções urbanísticas, inclusive com vegetação diferente da que existe na Mata Atlântica.

    Marcia Rosa diz que já entrou em contato com o BID em Brasília para pedir uma audiência e expor o problema vivido na Cidade. A prefeita conta que apresentará a insatisfação dos moradores com a obrigatoriedade da retirada imposta pelo Estado e, assim, tentar flexibilizar o projeto inicial do Jardim Botânico. “O BID não financia projetos cujas comunidades não estão de acordo”.

    Não retornou

    O secretário estadual de Meio Ambiente, Bruno Covas, foi procurado para comentar o assunto, mas até o fechamento desta edição a sua assessoria não se pronunciou.

    Situação tensa

    A situação entre Estado e moradores da Água Fria deve ficar tensa nas próximas semanas. Ontem, durante a reunião no gabinete da prefeita, algumas lideranças do bairro prometeram “ir para o tudo ou nada”, na tentativa de manter parte da comunidade no bairro e evitar a sua extinção.

    “Ninguém quer saber da história devida das pessoas. Posso não ter um terreno, mas a minha casa eu construí e não vou deixar um trator do Estado passar por cima dela”, protestou Evanira Francisca Santos, que mora na Água Fria há 37anos.

    Presidente da sociedade de melhoramentos do bairro, Ivan Hildebrando afirma que as famílias que pretendem continuar na Água Fria “vão resistir até o fim” e irão montar acampamento em frente ao escritório da CDHU, na Vila Fabril. “Podemos perder, mas vamos perder lutando”.

    O Estado iniciou o projeto Serra do Mar em 2007. Ele prevê a retirada de 5.350 famílias que vivem dentro do Parque Estadual da Serra do Mar em diversos núcleos. A decisão cumpre uma ordem da Justiça que acatou ação civil pública movida pelo Ministério Público Estadual. A Promotoria exige a transferência de todas as famílias do parque para outros locais.

    Terrorismo

    Os moradores que participaram da reunião acusaram técnicos da CDHU de estarem usando uma espécie de “terrorismo psicológico” para convencer as famílias a deixarem as suas casas. “Eles dizem assim: melhor sair ou você vai ficar sem nada”. O coordenador do Programa Serra do Mar, Fernando Chucre, garante que esse tipo de atitude por parte dos técnicos da CDHU “simplesmente não existe” e que está surpreso com essas declarações.

    O coordenador ressalta ainda que em todas as reuniões já feitas com as comunidades que serão transferidas, não houve sequer uma reclamação sobre uma possível pressão para a saída das famílias. “Em nenhum momento houve reclamação das equipes de assistência social da CDHU com essas famílias”.

    Chucre afirma ainda que o procedimento adotado para retirar os moradores pelo Estado é diferenciado e conta com toda assistência possível. Mas admite que um projeto nas proporções do Programa Serra do Mar não agrada a todos. “Mas o nosso objetivo é atender o maior número de famílias e da melhor maneira possível. E a gente sabe que não podemos agradar a todos”.

    Discussão na Câmara

    A Câmara de Cubatão vai convocar uma audiência pública nos próximos dias para discutir a retirada dos habitantes da Água Fria. Presente na reunião, o presidente do Legislativo, Donizete Tavares do Nascimento (PR), adiantou que todos os 11 parlamentares são a favor do projeto alternativo apresentado pela Prefeitura.

    “Em nome dos 11 vereadores posso garantir que vamos defender o projeto que mantém parte dos moradores da Água Fria”. Donizete lembra que existe uma comissão especial na Câmara criada justamente para acompanhar o assunto. “Acredito que uma audiência pública é a forma mais transparente e democrática para ouvirmos todos os envolvidos e encontrarmos uma solução”, conclui.

    A audiência acontecerá no Bloco Cultural e representantes do Governo do Estado serão convidados para apresentar o projeto à população.
    Prefeita de Cubatão quer rediscutir projeto de jardim botânico e recorre ao BID
    Thiago Macedo

    Aproximadamente 1.400 casas formam o Bairro Água Fria; comunidade é contrária à sua extinção
    A prefeita Marcia Rosa vai recorrer ao Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e a “todos os setores possíveis” do Palácio dos Bandeirantes para tentar rediscutir o projeto de criação do Jardim Botânico de Cubatão e evitar a extinção o Bairro Água Fria, onde vivem cerca de 7 mil pessoas.

    > Você concorda com a permanência de algumas famílias do bairro Água Fria na área do futuro Jardim Botânico? Opine

    A decisão foi tomada horas depois da chefe do Executivo cubatense ser informada sobre a apresentação do projeto do futuro Jardim Botânico, na Água Fria, em Cubatão, aos representantes do Polo Industrial pelo secretário estadual de Meio Ambiente, Bruno Covas, na manhã da última quarta-feira.

    O BID é o maior financiador do projeto, orçado em US$ 16 milhões, e faz parte do Programa Serra do Mar. Ontem, Marcia Rosa convocou uma reunião com vereadores, moradores do bairro afetado e a imprensa para externar a sua indignação com o Governo do Estado. O motivo foi a “quebra da promessa” que o secretário estadual fez aos representantes do Município, de que avaliaria um projeto alternativo para a construção da sede do Jardim Botânico na Cidade elaborado por técnicos da Prefeitura.

    Os documentos foram apresentados a Covas no dia 19 de maio deste ano, em uma reunião na Capital. No encontro, Bruno Covas disse aos representantes do Município que encaminharia o projeto à assessoria jurídica da Secretaria de Meio Ambiente e à Secretaria de Habitação para avaliar a sua viabilidade. O Governo Municipal sugere em seu projeto a manutenção de parte da Água Fria e a modificação do traçado dos limites do Jardim Botânico.

    Com uma área de 3 milhões 641 mil e 200 m2, o parque foi criado no ano passado por decreto do então governador Alberto Goldman e prevê a construção da sede justamente no local onde hoje estão cerca de 1,4 mil moradias ocupadas por cerca de 7 mil pessoas. “Quando li a matéria (sobre a apresentação do projeto original do Jardim Botânico aos representantes do Polo) hoje (ontem) me surpreendi. O Bruno (Covas) havia se colocado à disposição para discutir o assunto”,reclamou a prefeita na abertura da reunião.

    Reunião com o BID

    A Administração Municipal defende que parte dos moradores da Água Fria continue no bairro (os que estão próximos ao Rio Cubatão teriam de sair) em um futuro conjunto habitacional ecologicamente correto, integrado com o Jardim Botânico. Na proposta da Prefeitura, a área do parque seria ampliada para 5,7 milhões de metros quadrados, mas com um traçado diferente.

    A Água Fria ficaria fora do Jardim Botânico e a sede do empreendimento seria construída em uma região mais próxima à sede do núcleo Itutinga Pilões, no Parque Estadual da Serra do Mar. Ali existem alguns sítios e já ocorreram intervenções urbanísticas, inclusive com vegetação diferente da que existe na Mata Atlântica.

    Marcia Rosa diz que já entrou em contato com o BID em Brasília para pedir uma audiência e expor o problema vivido na Cidade. A prefeita conta que apresentará a insatisfação dos moradores com a obrigatoriedade da retirada imposta pelo Estado e, assim, tentar flexibilizar o projeto inicial do Jardim Botânico. “O BID não financia projetos cujas comunidades não estão de acordo”.

    Não retornou

    O secretário estadual de Meio Ambiente, Bruno Covas, foi procurado para comentar o assunto, mas até o fechamento desta edição a sua assessoria não se pronunciou.

    Situação tensa

    A situação entre Estado e moradores da Água Fria deve ficar tensa nas próximas semanas. Ontem, durante a reunião no gabinete da prefeita, algumas lideranças do bairro prometeram “ir para o tudo ou nada”, na tentativa de manter parte da comunidade no bairro e evitar a sua extinção.

    “Ninguém quer saber da história devida das pessoas. Posso não ter um terreno, mas a minha casa eu construí e não vou deixar um trator do Estado passar por cima dela”, protestou Evanira Francisca Santos, que mora na Água Fria há 37anos.

    Presidente da sociedade de melhoramentos do bairro, Ivan Hildebrando afirma que as famílias que pretendem continuar na Água Fria “vão resistir até o fim” e irão montar acampamento em frente ao escritório da CDHU, na Vila Fabril. “Podemos perder, mas vamos perder lutando”.

    O Estado iniciou o projeto Serra do Mar em 2007. Ele prevê a retirada de 5.350 famílias que vivem dentro do Parque Estadual da Serra do Mar em diversos núcleos. A decisão cumpre uma ordem da Justiça que acatou ação civil pública movida pelo Ministério Público Estadual. A Promotoria exige a transferência de todas as famílias do parque para outros locais.

    Terrorismo

    Os moradores que participaram da reunião acusaram técnicos da CDHU de estarem usando uma espécie de “terrorismo psicológico” para convencer as famílias a deixarem as suas casas. “Eles dizem assim: melhor sair ou você vai ficar sem nada”. O coordenador do Programa Serra do Mar, Fernando Chucre, garante que esse tipo de atitude por parte dos técnicos da CDHU “simplesmente não existe” e que está surpreso com essas declarações.

    O coordenador ressalta ainda que em todas as reuniões já feitas com as comunidades que serão transferidas, não houve sequer uma reclamação sobre uma possível pressão para a saída das famílias. “Em nenhum momento houve reclamação das equipes de assistência social da CDHU com essas famílias”.

    Chucre afirma ainda que o procedimento adotado para retirar os moradores pelo Estado é diferenciado e conta com toda assistência possível. Mas admite que um projeto nas proporções do Programa Serra do Mar não agrada a todos. “Mas o nosso objetivo é atender o maior número de famílias e da melhor maneira possível. E a gente sabe que não podemos agradar a todos”.

    Discussão na Câmara

    A Câmara de Cubatão vai convocar uma audiência pública nos próximos dias para discutir a retirada dos habitantes da Água Fria. Presente na reunião, o presidente do Legislativo, Donizete Tavares do Nascimento (PR), adiantou que todos os 11 parlamentares são a favor do projeto alternativo apresentado pela Prefeitura.

    “Em nome dos 11 vereadores posso garantir que vamos defender o projeto que mantém parte dos moradores da Água Fria”. Donizete lembra que existe uma comissão especial na Câmara criada justamente para acompanhar o assunto. “Acredito que uma audiência pública é a forma mais transparente e democrática para ouvirmos todos os envolvidos e encontrarmos uma solução”, conclui.

    A audiência acontecerá no Bloco Cultural e representantes do Governo do Estado serão convidados para apresentar o projeto à população.

  3. Pingback: Raquel Rolnik: Removidos pelos megaeventos são os últimos a saber « Virgulinoreidocangaco's Blog

  4. COMPANHEIRA ACHEI MUITO INTERRESANTE A MATERIA SOBRE O ROMARIO E AS DESOCUPAÇÕES. SÓ QUE EU ACHO QUE O DEPUTADO ESTA ATRASADO NAS DENUNCIAS E ELE FAZ PARTE DESTA POLITICA DA RETROESCAVADEIRA. ENTÃO PORQUE NÃO TOMOU UMA ATITUDE ANTES E SÓ DENUNCIAR NO PLENARIO DA CAMARA FOI MUITO POUCO PARA ALGUEM QUE ESTA ENVOLVIDO DE TODA FORMA

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s