Legado da Copa de 2014 para as cidades não será tão grande quanto as expectativas atuais

A expectativa da maior parte dos cidadãos das cidades que vão receber a Copa em 2014 é mais do que apenas receber a Copa – o que já é muito legal e deixa todo mundo animadíssimo –, tem a ver com o legado que ficará para as cidades.

Pelo andar da carruagem e pelo que estamos acompanhando, os projetos serão, basicamente, de reforma de estádios e de mobilidade. Neste último caso, são projetos preocupados com a mobilidade do aeroporto aos estádios, ao centro das cidades ou aos locais onde estará a maior parte dos hotéis. Nada muito além.

É importante falar isso porque existe muita expectativa com relação à ampliação de rede de metrô, de trem, etc, mas o que vai sair de verdade é muito menos que isso. Na semana passada, a CBF anunciou que a FIFA já aprovou projetos de sete das doze cidades-sedes da Copa. Mas que projetos são esses e como se dá esse processo?

O processo é o seguinte, a FIFA está preocupada basicamente com a questão das arenas e de como chegar e sair desses lugares. Mais especificamente, ela quer saber como será a inserção dos vips que vêm para a Copa, como eles vão se locomover dos hotéis aos estádios e aeroportos. Ela não está preocupada com os projetos de mobilidade geral das cidades. Isso é agenda brasileira, não da FIFA.

Então ela vem analisando os projetos, fazendo observações, colocando suas dúvidas e, à medida que as cidades vão respondendo a essas questões, elas vão sendo liberadas. Então as sete primeiras cidades tiveram seus projetos liberados porque atenderam a essas questões. Elas agora entram em campo para reformar os seus estádios.

Mas há também projetos de mobilidade em andamento. Em janeiro, o governo federal chamou os governadores e os prefeitos das cidades e, em comum acordo, estabeleceu uma matriz de responsabilidade em relação a projetos de mobilidade para a Copa.

Nessa matriz foram escolhidos projetos que foram considerados viáveis para serem executados no prazo. Isso porque existem projetos em andamento que já têm licença ambiental, ou cujo custo não é tão alto.

Em sua maioria, são projetos de corredor de ônibus, que estão chamando com um nome chique, BRT – Bus Rapid Transit, mas que não passam de um corredor de ônibus segregado, com embarque e plataforma, como a gente já conhece em cidades como São Paulo e Curitiba.

Em algumas cidades haverá o VLT – veículo leve sobre trilhos, que, no caso brasileiro, é meio que um ônibus andando em cima de um trilho, e nos casos específicos de São Paulo e Manaus, é um monotrilho, aquele trenzinho suspenso. E esses equipamentos vão, basicamente, ligar os aeroportos aos estádios e hotéis, e ponto. É essa a questão fundamental.

4 comentários sobre “Legado da Copa de 2014 para as cidades não será tão grande quanto as expectativas atuais

  1. Professora. Penso que não seria responsabilidade da FIFA resolver os problemas de mobilidade das cidades sedes da Copa de 2014. Assim como a FIA que traz os eventos da Fórmula 1, a entidade máxima do futebol pensa no seu negócio que afinal é privado e visa lucros milionários, bancados pelos patrocinadores vips e pelos trocedores que devem chegar e sair dos estádios com eficiência, muitas vezes deixando aos países sedes legados negativos, nem sempre divulgados.
    A questão da mobilidade urbana deveria ser uma das prioridades da agenda política do governo federal que há muito tempo não faz nada sobre a questão do transporte público. Depois de anunciar por diversas oportunidades o tal “PAC da Mobilidade”, vimos novamente frustrada a possibilidade de avançar em políticas públicas para deslocamentos urbanos. Sustentabilidade então, nem passa pela agenda. O PAC II anunciado neste mês transformou-se, como não poderia deixar de ser, num anuncio politiqueiro oportunista que pretende iludir prefeitos e eleitores sem alternativas concretas e viáveis. Incrivelmente a palavra “mobilidade” passou a ser tratada como “novas vias asfaltadas”, e só, bem ao gosto da prefeitada do interior!
    A Copa seria uma boa oportunidade para angariar parcerias público privadas aos investimentos em setores que fazem décadas não tem qualquer prioridade. Não apenas isto! Poderíamos desenvolver setores da indústria (motores elétricos e hibridos para transporte coletivo, vagões para VLTs, modernização da frota de ônibus), acabando definitivamente com o “zarcão”, estabelecendo novas regulamentações para o setor de montagem de carrocerias e chassis bem como um novo marco regulatório para o transporte público.
    A segregação por corredores também virou moda, mas é hoje questionada por alguns especialistas por estabelecer elementos muito fortes na paisagem urbana, marcas divisórias muito acentuados e perigosas, onde a velocidade comercial vira uma espécie de escapismo para suprir a falta de qualidade nos sistema de transporte. ganhamos velocidade e perdemos capilaridade quando não se pensa na integração multimodal com matrizes sustentáveis.
    Nada foi estruturado nem pensado de forma a oportunizar neste evento de grande repercussão mundial para trazer parceiros e valores que permitam reduzir desníveis sociais e melhorar a qualidade de vida urbana. Veremos a nossa maior especiliadade, o improviso de última hora, vir com força total e ser ainda louvada como um novo milagre a ser alardeado nos bem elaborados discursos como fruto da “capacidade” e “criatividade” brasileira. Tenhamos dó de nós mesmos, porque o que nos interessa não é apenas festa e futebol. Braziuuuuuiuiuiu!

  2. Eu particulamente achoo isso tudo uma palhaçada,em vez do governo se preucupar com saude,educação,melhoria das ruas para não aver enchentes,casas desmoronano,segurança,a sesta basica que so qumenta a falta de trabalho.elesvem se preucupando com copa de 2014.O Brasil não esta preparado para esse evento.seria maravilhoso que a copa foçe aqui é claro mais temos coizas muito mais enportantes.A educação esta Orrivel tem pessoas que nem sabe ler ou si quer tem documentos.Para mim é dinheiro jogado fora , afinalk durante a copa tudo vai funcionar i depois vai tudo ficar parado sem manuntençaõ como perte desse dinhoro é do povo eu estou reclamando.

  3. O evento copa 2014 e maravilhos o pais do futebol receber o mundo em suas terras.Penso que assiste aos jogos nos estadios so quem tiver muito dinheiro os ingressos são caros e sera como as outras copas vamos assiste pela televisão.O governo tem que colocar em práticas outras prioridades;educacao saúde moradias e etc…..

  4. O que tem de bom, a copa ser em nosso paìs, e que ficamos mais conhecidos pelos outros paises…imagina: Porto Alegre sendo visto pelo mundo, acredito num plano divino para nós, e bom demais… A Biblia fala que os planos de Deus não podem ser frustrado! E não será!!!
    Marga

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s