Operação urbana: panaceia ou mistificação?

Artigo publicado hoje no jornal Folha de São Paulo.

RAQUEL ROLNIK
ESPECIAL PARA A FOLHA

Mais uma vez cidadãos de São Paulo veem anunciada a “solução de seus problemas”. São novas operações urbanas que prometem transformar a paisagem e a vida da cidade.

Repovoar áreas vazias e subutilizadas, melhorar a mobilidade, priorizando o transporte coletivo e promovendo a proximidade do emprego em relação à moradia, recuperar áreas de moradia precária e, de quebra, aumentar a drenagem, as áreas verdes e os parques…

A fórmula, já utilizada nas operações urbanas Faria Lima e Águas Espraiadas, é simples: se lançam Cepacs (papeis que podem ser trocados por área construída acima do que o zoneamento da cidade permite) e, com o dinheiro arrecadado, se implantam as “melhorias”.

O simples exame das operações citadas nos permite afirmar que seu efeito é o contrário daquilo que promete. Nos dois casos citados, as melhorias foram basicamente ampliações e extensões de avenidas e pontes para a circulação de carros.

Um dos pontos centrais da estratégia é o chamado “adensamento”. Aparentemente, como regiões onde existiam casas e sobrados deram lugar a edifícios altos, a região “adensou”.

Certo? Errado : TODOS os bairros já atingidos pelas operações perderam população! Pinheiros (que teve 100 mil moradores e hoje tem 60 mil), Itaim Bibi e Moema, assim como outros bairros (que estão fora desse tipo de operações, mas se transformaram sob o mesmo modelo de “adensamento”), perderam população desde que se verticalizaram.

As favelas continuam exatamente como estavam ou sumiram do mapa, em operações de despejo individual; o solo impermeabilizou-se mais, graças às garagens subterrâneas, e os trabalhadores vão bem, obrigado, pendurados nos trens e ônibus viajando mais de três horas por dia, já que o preço do solo e dos imóveis nessas regiões é cada vez mais proibitivo para eles.

Moral da história: precisamos de um planejamento em larga escala, promovendo o repovoamento includente da cidade, a inversão de seu modelo de mobilidade e de relação com sua geografia. Mas é necessário e urgente repensar os instrumentos de gestão do solo urbano, que foram desenhados única e exclusivamente a partir da produtividade econômica do solo e sua valorização.

2 comentários sobre “Operação urbana: panaceia ou mistificação?

  1. Genial o artigo.
    Eh muito importante ter dados pra avaliar a validade de descumprir a lei do municipio pelo nome de um bem maior. Esse bem maior (o adensamento do centro da cidade) nunca veio, jah o beneficio para as empreiteiras esta sempre ai.
    Vai pra biblioteca de referencias

  2. Oi Raquel

    Gosto da sua produção acadêmica/científica e sempre uso com meus alunos da graduação e pós graduação em Geografia/UFMS.
    meus Grupo de Pesquisa estuda a dinâmica territorial urbana de uma cidade média em MS e apesar de não ser metrópole mas os problemas inerentes a moradia, segregação, primazia do capital são similares.

    Abç
    Edima Aranha/UFMS

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s